Gravidez e fazer esporte, como antagonistas?

"Eu estou grávida, não doente". É a frase que podemos ouvir de muitas mulheres apaixonadas do esporte e que ficam caribenho. Pois é assim. Se você está grávida, você não tem que deixar de fazer esporte, claro, sempre e quando a gravidez não for de risco e ter passado previamente pelo médico para obter o visto. No caso de que a sua gravidez seja normal e que não tenha risco, vá em Frente! O exercício físico melhora a condição cardiovascular e muscular, favorecendo, assim, a correção postural e para evitar um aumento excessivo de peso, o que deve proporcionar à gestante uma melhor condição física geral e lhe permitirá enfrentar a gravidez e parto com menos riscos. Por outro lado, aumenta o bem-estar psicológico, reduzindo a ansiedade, aumentando a auto-estima, diminui a insônia, melhora a pressão arterial e protege contra uma possível diabetes gestacional. Dois importantes patologias podem mitigarse enormemente a prática de exercício durante a gravidez: - Eclampsia (hipertensão induzida pela gravidez) e Diabetes Mellitus Gestacional (é diagnosticada pela primeira vez durante a gravidez) Os motivos para praticar ou continuar a fazê-lo durante a gravidez respondem diretamente a melhorar o estado de saúde da mãe, no sentido de reduzir o risco de doença associada à gravidez. Assim, no caso da eclampsia (hipertensão induzida pela gravidez), pode ver-se reduzida, graças aos benefícios fisiológicos e psicológicos associados à atividade física regular. Além disso, a secreção de insulina, a sensibilidade à insulina e o metabolismo da glicose podem ser melhorados, aumentando a tolerância à glicose e diminuindo as chances de desenvolver diabetes mellitus gestacional. O treinamento pode envolver a prevenção ou o tratamento de outras condições como a dor lombar, incontinência urinária associada à gravidez, disfunção muscular do assoalho pélvico e/ou doenças osteomusculares Há que ter cuidados com determinados exercícios, já que o centro de gravidade muda, além de estar suportando maior peso. É por isso que se devem evitar exercícios de equilíbrio ou posições estáticas por longos períodos de tempo. Mudanças bruscas de posição e evitar esportes de contato. Tudo isso para evitar quedas e traumatismos (especialmente quando a gravidez está avançada). Por outro lado, é muito importante estar sempre hidratada, evitar a prática de desporto em ambientes muito quentes. De acordo com algumas pesquisas, o peso dos bebês ao nascer, as mães que têm praticado exercício de alta intensidade é menor, em torno de 300-350g menos. A principal razão pode ser devido à menor quantidade de gordura subcutânea do recém-nascido. Daqui se pode extrair a recomendação de exercício moderado. Por outro lado, o exercício físico intenso durante a gravidez está relacionado com um aumento entre 5 a 15 batimentos/minuto na freqüência cardíaca fetal, mas sem aparecer efeitos adversos no feto. Partos prematuros: para a maioria das mulheres grávidas saudáveis sem fatores de adicional de risco de parto prematuro, o exercício não aumenta a atividade normal do útero ou da ocorrência de contrações ou partos prematuros Devido à série de processos e mudanças que se dão lugar no corpo da mulher grávida, se hão-de seguir, com precaução, uma série de recomendações e levá-los em conta: Resposta Cardiovascular A gravidez altera a relação entre a frequência cardíaca e o consumo de oxigênio, e é por isso que durante o exercício deve ser considerado. Assim, mulheres de 20-29 anos, a FC deve oscilar entre 135-150 batimentos/min, enquanto as de 30-39 sobre 130-145. Outra forma bastante recomendada é usar a escala de esforço percebido (IEP) e determinar assim a intensidade. De uma maneira geral, se deve situar entre 12-14, o que equivaleria a manter uma conversa durante o exercício. Resposta Respiratória A ventilação pode aumentar em até 50%, de modo que se usa entre 10-20% a mais de oxigênio em repouso. Assim, se dispõe de menos oxigênio para a atividade física. À medida que avança a gravidez o útero aumenta de tamanho, se interfere com o movimento do diafragma, aumentando, por sua vez, o esforço respiratório, diminuindo o desempenho máximo durante o exercício. É importante, neste ponto, ajustar corretamente o programa de exercício para evitar causar níveis elevados de fadiga ou atingir o esgotamento físico. Resposta Mecânica O centro de massa da mulher varia à medida que aumenta o seu peso e o tamanho dos seios e o útero, o que pode afetar negativamente o seu equilíbrio, controle postural e mecânica do movimento em determinados exercícios. De tal modo, há que ter bastante cuidado na hora de selecionar os exercícios que envolvem esta variável de manutenção do equilíbrio e evitar quedas ou traumatismos do abdome. Dada a frouxidão articular que ocorre durante a gravidez, os exercícios devem ser praticada lentamente e de forma controlada para evitar danos nas articulações. Resposta Metabólica A necessidade de mais oxigênio se deve à necessidade de maior substrato energético. De maneira geral, as mulheres grávidas costumam precisar em torno 300kcals adicionais para cobrir as necessidades metabólicas para a homeostase de suas funções vitais, agora aumentadas. Durante o exercício físico, as mulheres grávidas usam mais quantidade de carboidratos. Resposta Termorreguladora A gravidez eleva a taxa de temperatura metabólica basal e a produção de calor, aumentando ainda mais durante o exercício. Este efeito é de, no grau mais elevado durante o primeiro trimestre de gravidez. É por isso que se deve assegurar a correta dissipação de calor através da hidratação adequada, roupas apropriadas e um ambiente ideal. Passado o Primeiro Trimestre Evitar estar deitada de barriga para cima (decúbito dorsal), já que dificulta o retorno venoso ao coração, devido ao tamanho cada vez maior do útero. Além disso, esta posição reduz o gasto cardíaco e pode causar a síndrome de hipotensão supina. Com isso, seria necessário eliminar qualquer exercício que faça desta posição: abdominais, supino, exercícios decúbito dorsal sobre uma bola de estabilidade e de estiramento no chão. Exercícios Recomendados: Se você deve fazer ressaltar a força dos músculos abdominais e do assoalho pélvico, já que estes músculos são a base de suporte postural e preparam a mulher para o parto. Com isso, o fortalecimento do transverso do abdómen (músculo abdominal mais profunda), ajuda a sustentar a coluna vertebral e ajuda na hora do parto para a manobra de empurre. Se sofre de alguma das seguintes, o exercício pode ser uma contra-indicação absoluta: Se você tem algumas da seguinte lista cabe ao médico dar a sua avaliação prévia ao início do exercício Hoje em dia o esporte de CrossFit é bastante conhecido, e sabendo de sua exigência, como as mulheres grávidas podem continuar practicándolo? Há alguns anos, uma série de futuras mamães, que treinavam CrossFit, decidiram continuar com o a par de que começava a sua gravidez. De acordo com as recomendações profissionais, e tendo cuidado em cada fase da gravidez, com os exercícios que se podiam realizar, tudo transcorreu com absoluta normalidade. Você pode ver o resto no vídeo a seguir: